Papel da Qualificação no Setor de Fundição

Sabemos que o setor de Fundição no Brasil tem sofrido bastante com a recessão econômica dos últimos anos, além de sofrer com políticas econômicas recessivas e com a queda na industrialização no País qual vem sofrendo grande avanço nos últimos anos. Pois bem o que isso tem a ver com o “papel da qualificação do setor no país e no RS”?

Bem, na verdade isso vem de encontro com a necessidade cada vez maior e qualificação das empresas e geração de conhecimento interno a partir destas, para poder criar, gerar competitividade e se manter no mercado nacional e mundial sem dúvida.

Para poder “criar e desenvolver sua própria tecnologia” as empresas de fundição e Metalurgia sabem que, em geral não adianta tem “equipamentos e máquinas com tecnologia de ponta” senão tiver técnicos e engenheiros qualificados para saber desenvolver e controlar um bom processo metalúrgico e, saber absorver a tecnologia, aprender com ela e ter capacidade intelectual para “geração de conhecimento interno na empresa”, criar tecnologias novas, novos materiais, otimizar processos e dessa forma, agregando valor à Fundição, a empresa e todo corpo técnico da mesma.

Vamos a alguns exemplos brasileiros: exportamos blocos de motores em materiais com tecnologia desenvolvidos no brasil e poucos sabem disso. Fabricamos compressores com tecnologia de baixo ruído, baixo impacto ambiental e baixo consumo de energia, que são exportados para países como México e EUA, mas poucos sabem disso. 

Possuímos uma grande indústria agrícola com os maiores fabricantes do mundo instalados aqui, quais desenvolvem tecnologia nacional e que as vezes não fazemos ideia de como isso fora desenvolvido no país. Se dúvida para “criar e gerar conhecimento tecnológico” e valor agregado as empresas precisamos além de equipamentos modernos, com sofisticação que beiram a geração indústria 4.0, precisamos de capital humano qualificado em nossas empresas.

No estado do Rio Grande do Sul, temos algumas Escolas clássicas na área de Fundição e Metalurgia, como a Escola de Engenharia da UFRGS qual possui o Curso de Engenharia Metalúrgica fundado em meados de 1950, com sua primeira turma formada em 1958, curso esse que fora derivado do Curso de Engenharia de Minas dentro da própria Universidade. A própria Universidade possui programas de Mestrado e Doutorado nas áreas de Metalurgia e Materiais pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia de Minas,Metalurgia e Materiais conhecido como PPGE3M da UFRGS.

Mais recentemente em 2017 fora fundado primeiro Curso de Metalurgia fora de Porto Alegre, junto ao IFRS- Campus Caxias do Sul, qual serve de atuação para formação de Metalurgistas ao ao vasto mercado do pólo Metal-mecânico de Caxias do Sul e Região, outras regiões do Estado e do Brasil. Essas são excelentes Escolas de Metalurgia em nível superior no RS e Sul do País. Em nível técnico possuímos excelentes escolas técnicas como a Escola Técnica Parobé em Porto Alegre/RS, a Escola Técnica Liberato Salzano em Novo Hamburgo/RS, Escola Técnica Mesquita em Porto Alegre/RS, no interior temos o curso técnico em Metalurgia pelo IFRS em Farroupilha próximo ao pólo de Caxias do Sul. Dessas escolas, técnicas cabe ressaltar que poucas focam seu escopo do Curso em 100% em processos de Fundição e siderúrgicos, salvo algumas exceções. 

Porque qualificar em Metalurgia?

Bem, primeiramente “dizem que conhecimento é poder”, jargão popular nacional, mas segundo, para poder gerar capital humano com “elevado valor agregado em nossas empresas”, para que essas pessoas gerem conhecimento intelectual a outras pessoas e isso, possa num futuro breve, fortalecer o setor de Fundição, por exemplo, como um todo. Que possamos gerar tecnologia e processos alternativos com elevado valor agregado as empresas e estas, possam competir ecomomicamente e tecnicamente com outras empresas em nível tecnológico e científico, gerando valor empregos novos para nossas empresas no sul e, para que essas possam competir em melhor nível de produto e tecnologia com empresas de fora do pais. Um do pilares para isso, sem dúvida e a qualificação  do setor de fundição e geração de conhecimento interno das empresas que irá modificar nosso atual cenário de recessão e fraqueza do setor no sul do País.

Author: Prof.Msc.Vinicius Paz

Leave a Reply